Brasil

Publicada em 12/04/17 as 21:16h - 35 visualizações
Justiça torna Patrícia Lélis, que acusou Feliciano de estupro, ré por extorsão e denunciação caluniosa
Se condenada, a jornalista poderá cumprir pena que varia entre 6 e 20 anos de prisão

Rádio Gospel Fé


 (Foto: Rádio Gospel Fé)

A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia feita contra a jornalista Patrícia Lélis pelo Ministério Público (MP) após a Polícia Civil indiciá-la por denunciação caluniosa e extorsão contra o então assessor do pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP).

O juiz Carlos José Zulian agendou o interrogatório de Patrícia Lélis para o próximo dia 25 de maio, às 15h00, assim como o depoimento das testemunhas do caso. Nessa ocasião, caso o magistrado entenda que o caso foi esclarecido e a jornalista é culpada, ele já poderá emitir a sentença. As penas previstas vão de 6 a 20 anos de prisão.

A denúncia feita pelo MP e acolhida pela Justiça considera que Patrícia Lélis mentiu à Polícia Civil em agosto de 2016, quando alegou ter fugido de cativeiro preparado por Talma Bauer, então chefe de gabinete de Feliciano. Na mesma ocasião, acusou o pastor de estupro.

O Boletim de Ocorrência, registrado no 3º Distrito Policial (DP), abriu a possibilidade de investigação do caso, e o ex-assessor chegou a ser preso em flagrante, mas após prestar depoimento, foi liberado. Durante a averiguação dos fatos, o delegado Luiz Roberto Hellmeister chegou à conclusão de que a jornalista havia mentido.

De acordo com informações do G1, a 1ª Promotoria Criminal também acusou Patrícia Lélis de cobrar dinheiro de Bauer para gravar vídeos em São Paulo desmentindo a acusação de tentativa de estupro que ela fez contra o pastor Marco Feliciano. Segundo Bauer, o valor pago à jornalista foi R$ 20 mil, através de um amigo dela.

+ Caio Fábio diz ter sido procurado por Patrícia Lélis e recusado encontro: "Mulher bomba"

A eventual condenação de Patrícia Lélis nesse caso não elimina a investigação feita pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o pastor Feliciano, no caso em que ela o acusa de tentativa de estupro em Brasília. O caso corre em segredo de Justiça, e as partes não podem comentar detalhes sobre o caso.

No dia e hora em que a jornalista acusou o pastor pelo crime, Feliciano estava sendo recebido pelo ministro do Trabalho para uma reunião, e as câmeras da sede do Ministério o filmaram chegando ao local e saindo, posteriormente, para as sessões que a Câmara dos Deputados realizaria naquele dia.

Prisão

A Polícia Civil já havia pedido a prisão preventiva de Patrícia Lélis em setembro passado, quando ela foi indiciada por denunciação caluniosa e extorsão. No entanto, tanto o Ministério Público quanto a Justiça entenderam que tal medida era desnecessária. A defesa da jornalista, então, pediu a anulação do inquérito que a indiciou, mas a Justiça negou.

+ Patrícia Lélis diz ter conchavo com ministros do STF que julgarão Marco Feliciano

Procurada pelo portal de notícias da Globo, a jornalista afirmou, por e-mail, que o delegado Hellmeister não tem uma conduta exemplar, e insinuou que isso tire sua legitimidade no caso.

"O delegado que fez tal acusação carrega nas costas crimes bárbaros que aconteceram dentro da sua delegacia, como por exemplo o caso da Verônica Bolina, que foi brutalmente agredida dentro da própria delegacia", escreveu, fazendo referência a um travesti que foi espancado em 2015.

"Tenho testemunhas que estavam presentes na delegacia, que vão dar testemunho ao meu favor, dizendo sobre a conduta do delegado, e sobre os inúmeros xingamentos que se refere a mim", acrescentou Patrícia Lélis, sem comentar com objetividade as acusações de denunciação caluniosa e extorsão.

Uma das advogadas de Patrícia Lélis, Ana Ruas, afirmou que "a defesa confia no trabalho do judiciário, que fará uma análise pormenorizada dos fatos, respaldado nas provas devidamente produzidas durante a instrução criminal, sempre sob o crivo do contraditório e assegurados os princípios constitucionais assegurados pelo estado democrático de Direito".

Ana Ruas divide a tarefa de defender Patrícia Lélis com a advogada Livia Novak, e reiterou sua confiança de que o caso será julgado de forma justa: "Vamos esperar o judiciário, que é ele que tem o poder de julgar o certo e o errado nesse momento", concluiu Ruas.





Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Hora Certa
Redes Sociais


(83)99635-9113

No Ar


Nenhuma programação cadastrada
para esse horário




Peça sua Música

  • jean carlos
    Cidade: campina grande
    Música: filho meu e estou provando sua fe.
  • gilene barbosa
    Cidade: COLONIA LEOPOLDINA-AL
    Música: seu templo sou emerson pinheiro
  • Reynan Andrade
    Cidade: Senhor do Bonfim
    Música: Oi, Jesus (Isadora Pompeo)
  • helder jr.
    Cidade: primavera-pa
    Música: depois do culto Samuel mariano
  • israel
    Cidade: rio de janeiro
    Música: sarando a terra ferida vivendo o impossivel
  • DIONNE DE MAGALHAES SANTOS
    Cidade: Brasilia
    Música: ainda que a figueira - fernandinho
Publicidade Lateral
Estatísticas
Visitas: 37103 Usuários Online: 6


Fan Page

Bate Papo

Digite seu NOME:


Parceiros

Copyright (c) 2017 - Rádio Gospel Fé - Todos os direitos reservados